UMA CHANCE PARA A FIGUEIRA

UMA CHANCE PARA A FIGUEIRA

Mais uma chance pode fazer grande diferença.  Podemos perder, errar, fracassar na primeira oportunidade. Nem sempre temos uma segunda chance, mas na parábola da figueira isso foi facultado.

Até onde percebemos, lendo sobre a  parábola da figueira, ela foi apresentada logo após algumas pessoas falarem a Jesus sobre  um estranho e macabro acontecimento: Alguns galileus foram apresentar sacrifícios pelos seus pecados, e por ordem de Pilatos, seus sangues foram misturados com o sacrifício; nos dando a impressão de que houve ali um chacina horrível. Talvez, Pilatos, que representava o judaísmo, tenha julgado, que deveriam derramar seus próprios sangues para alcançar o perdão de Deus, ou serem executados como abomináveis.

Jesus observa: “Pensais que esses galileus eram mais pecadores do que todos os outros, por terem padecido estas coisas?” – continua Jesus: “Não eram, eu vos afirmo: se porém, não vos arrependerdes, todos igualmente perecereis”. Lc 13. 2 - 5).

Em síntese, Jesus esclarece que os judeus deveriam não julgar, condenar, mas buscar o arrependimento, única forma de escaparem da condenação. Depois disso, começa a proferir a parábola da figueira para que os judeus entendessem, pelo menos o seguinte:

1.     Que a figueira representava os próprios judeus, e que o Pai, dono e criador da figueira, veio para ver os seus frutos e nada encontrou.

2.     Então o proprietário disse ao viticultor: Três anos, (tempo do ministério de Cristo), procuro fruto nesta figueira, mas não encontro. Pode cortá-la.

3.     Mas, o viticultor propôs uma segunda chance: Senhor, deixa-a ainda este ano, até que eu escave aos redor dela e lhe ponha estrume. Se der fruto, bem está; se não, mandarás cortá-la.

 

Se pensarmos assim: Deus como o proprietário da figueira infrutífera,  espera por três anos pela frutificação da figueira. Jesus como viticultor propõe que se dê mais um ano de prazo, período em que faria algo mais pela figueira. Concluímos que: Nos primeiros três anos estava relacionado ao ministério de Jesus. Um ano mais, relacionado ao ministério do Espírito Santo. Mesmo assim, a figueira não frutificou, então foi cortada. Consequentemente, Paulo aparece no cenário apostólico levando a mensagem de arrependimento aos gentios: “Mas Deus, não levando em conta o tempo da ignorância, manda agora que todos os homens em todos os lugares se arrependam. (Atos 17. 30) Estamos frutificando? Teremos uma segunda chance? O arrependimento é vital!

Pr. Meirinho